quinta-feira, 25 de outubro de 2012

Encontrado corpo de menina que sumiu ao sair para doar cão, em GO

Bombeiros a encontraram em canavial na zona rural de Carmo do Rio Verde.
Local fica a 200 metros de onde suspeito havia informa à polícia.


Corpo estava em canavial na zona rural de Carmo do Rio Verde (Foto: Patrícia Piassa/TV Anhanguera)

Uma equipe do Corpo de Bombeiros de Jaraguá encontrou na tarde desta terça-feira (23) o corpo de Gabrielly Caroline Dias Rocha, de 10 anos, que desapareceu na quinta-feira passada (18), na cidade de Uruana, região central de Goiás. Ele foi achado em um canavial em Carmo do Rio Verde, a 200 metros do local onde o suspeito do crime indicou à polícia.

Ao G1, por telefone, o capitão do Corpo de Bombeiros Thiago Abdala informou que a vítima foi localizada por volta das 17h50, na estrada que liga a subestação de energia de Carmo do Rio Verde a uma usina de álcool. Ele preferiu não dar detalhes do estado como ela foi encontrada. Disse apenas que o corpo não estava enterrado.


Gabrielly Caroline desapareceu na última
quinta-feira (Foto: Arquivo pessoal)

A garota não foi mais vista pela família desde que saiu de casa para doar um cachorrinho, no último dia 18. Apenas as sapatilhas que a criança usava foram encontradas na porta da casa do suspeito. Um vizinho e conhecido da família é considerado pela polícia o principal suspeito. Ele foi preso em Uruana na sexta-feira (19) e, segundo a polícia, confessou o crime. Uma multidão, revoltada, tentou invadir a delegacia da cidade para linchá-lo no domingo (21).

Em entrevista à TV Anhanguera, na segunda-feira (22), a mãe de Gabrielly, Rosana Dias Rocha, 30 anos, disse que tinha a esperança de encontrar a filha com vida. “Eu quero a minha filha viva e quero justiça. Quero que Deus toque no coração dele [o vizinho preso suspeito de envolvimento com o sumiço e que, segundo a polícia, confessou ter matado a criança] para ele contar a verdade, onde está a minha filha”, diz.

Por medida de segurança, o suspeito foi transferido de Uruana para a Delegacia de Homicídios, em Goiânia. Na segunda (22), ele teria se ferido dentro da cela, batendo a cabeça contra a grade, foi atendido pelo Corpo de Bombeiros e levado com sangramento na cabeça para o Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo). Após passar por exames, voltou para a delegacia.

De acordo com a delegada-geral da Polícia Civil em Goiás, Adriana Accorsi, essa não é a primeira vez que o detido é suspeito de estupro. “Temos um suspeito que já respondeu por violentar uma criança de 12 anos, e, inclusive, ficou preso por causa disso. E pode ter sido esse o motivo, ou seja, a compulsão, o desvio sexual de pedofilia, que o levou, estando ali sozinho com a criança em sua casa, o levou a agredir e possivelmente molestar essa criança”, afirma Adriana Accorsi.



FONTE
http://g1.globo.com/goias/noticia/2012/10/encontrado-corpo-de-menina-que-sumiu-ao-sair-para-doar-cachorro.html

Celular próximo a corpo de menina ajudou polícia a achar suspeito

Segundo delegado, homem preso em Ijaci (MG) teria tentado desativar chip.
Corpo de Camila Vitoriano foi encontrado na manhã desta segunda (22).

Um celular deixado próximo ao local onde o corpo de Camila Graziele Vitoriano, de 5 anos, foi encontrado na manhã desta segunda-feira (22), em Bom Sucesso (MG), ajudou a polícia a fazer a prisão de um homem em Ijaci (MG). Segundo o delegado responsável pelo caso, Emílio de Oliveira e Silva, o aparelho foi abandonado sem o chip.

“Ele teria ligado para a operadora de telefonia para desativar o chip, mas ainda aguardamos informações da operadora. Estamos trabalhando com sigilo para não atrapalhar as investigações”, conta.

De acordo com o delegado, o homem preso mora com a mulher de 25 anos, detida na semana passada suspeita de ter sido vista com Camila. Os suspeitos permanecem presos, mas negam envolvimento no crime. Eles devem permanecer detidos até a conclusão das investigações.

“Estamos verificando a situação e acompanhando os passos deles nos últimos dias, anteriores ao sumiço da criança. Há indícios do envolvimento deles, mas não podemos afirmar nada ainda”, informa.

Ainda segundo o delegado, a população de Bom Sucesso foi até a delegacia da cidade atrás dos suspeitos para linchá-los e por conta disso, o local onde eles permanecem detidos será mantido em sigilo.



O corpo de Camila foi encontrado por um tio e dois moradores que faziam buscas e estava dentro de um saco à beira de um córrego próximo da casa da família. A perícia encontrou perfurações pelo corpo da criança e sinais de abuso sexual. As roupas que a menina usava quando desapareceu, no dia 16 de outubro, estavam dentro de uma sacola junto à vítima. A Polícia Militar acredita que o corpo tenha sido colocado perto do córrego há poucos dias, já que a área foi uma das primeiras onde os moradores realizaram buscas.

O pai de Camila, Wander Vitoriano, entrou em desespero quando chegou ao local e teve que ser contido pelos bombeiros. Abatido, ele só agradeceu aos moradores de Bom Sucesso que ajudaram nas buscas. “Queria agradecer a toda a população que nos ajudou na procura da Camila”.


Os pais de Camila agradeceram o empenho da população em encontrar a menina. (Foto: Reprodução EPTV)

O caso comoveu os moradores de Bom Sucesso. A escola onde Camila estudava ficou fechada e o comércio também não abriu as portas. Os moradores saíram pelas ruas da cidade para protestar a morte da menina.

O corpo da criança foi encaminhado ao IML de Belo Horizonte (MG), onde será verificado se houve abuso sexual. “Tudo indica que houve o abuso sexual, mas somente a necropsia poderá comprovar. Ainda não descartamos a hipótese de um sequestro com fins de exploração sexual, ainda que de curta duração”, enfatiza o delegado.

O caso

O corpo da menina Camila Graziele Santos Vitoriano, de 5 anos, foi encontrado na manhã desta segunda-feira próximo a um rio, na zona rural de Bom Sucesso. Ela estava desaparecida desde a última terça-feira (16). O corpo foi encontrado com perfurações, mas a polícia ainda não diz qual objeto teria provocado os ferimentos. Também há indícios de que a menina tenha sido abusada sexualmente.

Até então, a polícia suspeitava que a menina havia sido sequestrada. As hipóteses mais prováveis eram de tráfico de crianças, transplante de órgãos, trabalho escravo ou adoção ilegal.

Moradores da pequena cidade de pouco mais de 17 mil habitantes se mobilizaram espalhando cartazes com a foto da menina pelo comércio da cidade e nas redes sociais. Apesar da suspeita de que a menina tivesse sido sequestrada, a polícia concentrava as buscas pela zona rural do município.

Uma mulher de 25 anos, suspeita de envolvimento com a morte, foi presa na última quinta-feira (18). O namorado dela, também suspeito de participação, foi detido nesta segunda-feira em Ijaci.





FONTE
VIDEO AQUI
V
http://g1.globo.com/mg/sul-de-minas/noticia/2012/10/celular-proximo-corpo-de-menina-ajudou-policia-achar-suspeito.html

terça-feira, 23 de outubro de 2012

Criança desaparecida há cinco dias é encontrada morta em Araxá, MG


Trabalhadores viram o corpo próximo ao Distrito Industrial.
Conforme a Polícia Civil, a criança pode ter sido morta a pedradas.


Ana Clara Cunha da Mata, de 11 anos, está desaparecida (Foto: Reprodução/TV Integração)

Na tarde desta terça-feira (23), foi encontrado o corpo de Ana Clara Cunha da Mata, de 11 anos, às margens de uma rodovia que corta o município, próximo ao Distrito Industrial de Araxá, no Alto Paranaíba. A criança estava desaparecida desde a última quinta-feira (18), depois que saiu para ir à escola e não voltou.
De acordo com a Polícia Civil, trabalhadores viram o corpo de uma menina e chamaram o Corpo de Bombeiros. A polícia e peritos do Instituto Médico Legal (IML) também foram acionados. Ainda conforme a Polícia Civil, havia sinais de violência no corpo e a suspeita inicial é que ela tenha sido morta a pedradas. No entanto, ainda não foi confirmado se houve violência sexual.
O corpo da criança foi encaminhado para o IML, onde deve ficar até a hora do enterro, previsto para a manhã desta quarta-feira (24). A perícia colheu materiais da menina que serão analisados em Belo Horizonte. O laudo sobre morte de Ana Clara deve ser concluído em 30 dias.
Desaparecimento

De acordo com a mãe da menina, Aline Lopes da Cunha, a filha saiu para ir à escola e não voltou, no dia 18. A família se mudou para a cidade em março deste ano e a menina ainda não tinha muitos amigos.
O caso mobilizou a população, além da investigação policial. O delegado Luiz Antônio da Costa informou que um inquérito foi aberto para localizar a criança e conselho tutelar também deu apoio. A família espalhou fotos de Ana Clara nas redes sociais, enquanto amigos e parentes se mobilizavam por notícias.

Suspeito de matar menina em GO já tem passagem por estupro, diz polícia


Gabrielly Caroline, de 10 anos, está desaparecida há 4 dias em Uruana.
Ela foi vista pela última vez na casa do suspeito, quando saiu para doar cão.

O homem suspeito de matar uma menina de 10 anos em Uruana, na região Central de Goiás, já tem uma passagem policial por estupro de vulnerável. Por telefone ao G1 na tarde desta segunda-feira (22), a delegada-geral da Polícia Civil, Adriana Accorsi, confirmou que o homem já estuprou um garoto de 12 anos. Ela informou que o processo foi finalizado, mas não soube confirmar quando e onde aconteceu o crime. De acordo com Accorsi, tudo indica que a menina foi vítima de estupro.

Gabrielly Caroline Dias Rocha está desaparecida desde a última quinta-feira (18), quando saiu para doar um cachorro e não retornou para cara. Ela foi vista pela última vez na porta da casa do suspeito, que é pai de uma colega dela.

A filha do suspeito está em Goiânia para prestar depoimento. “Há a possibilidade dele ter abusado dela [da filha]. Mas existem aqueles abusadores que abusam de todas as crianças a que têm acesso, como filhos, crianças da família e amigos dos filhos, e aqueles que só abusam de crianças de outras famílias. Vamos investigar”, declara a delegada-geral.

Após o suspeito confessar o crime, a população de Uruana tentou invadir a delegacia e o homem foi levado para a capital, onde segue detido na Delegacia de Homicídios. De acordo com a polícia, ele afirmou em depoimento que o corpo da criança foi abandonado dentro de um saco plástico em uma mata à beira de uma estrada próxima ao município de Carmo do Rio Verde.

As buscas pelo corpo da menina continuam sendo feitas pela Polícia Civil, Polícia Militar, Corpo de Bombeiros e até moradores. Cães farejadores estão sendo usados nesse trabalho. Mas, até o início da tarde desta segunda-feira, o corpo não havia sido encontrado.

A mãe e a irmã da vítima também foram ouvidas pela Polícia Civil nesta segunda. A casa, o carro e as roupas do suspeito estão sendo periciados. De acordo com Accorsi, se ficar comprovado que ele estuprou e matou Gabrielly, ele será indiciado pelos dois crimes.



FONTE
http://g1.globo.com/goias/noticia/2012/10/suspeito-de-matar-menina-em-go-ja-tem-passagem-por-estupro-diz-policia.html
=
Suspeito de matar criança sumida é transferido de Uruana para Goiânia


Segundo a polícia, ele é pai de uma colega da garota e confessou o crime.
Revoltados, moradores da cidade tentaram invadir delegacia no domingo.


Gabrielly Caroline (Foto: Arquivo pessoal)

O homem preso suspeito de matar Gabrielly Caroline Dias Rocha, 10 anos, desaparecida desde a quinta-feira (18), depois de sair de casa para doar um cachorro, foi transferido de Uruana, na região central de Goiás, para a carceragem da Delegacia de Homicídios de Goiânia. O deslocamento ocorreu no próprio domingo (21), depois de uma multidão ter tentado invadir a delegacia da cidade, a 157 km da capital. De acordo com a polícia, o homem chegou a confessar ter matado a criança.

De acordo com o delegado de Homicídios, Hellyton Carvalho, as investigações continuarão a ser feitas em Uruana. "Estou apenas atendendo uma ordem para guardá-lo aqui, já que houve uma tentativa de linchamento", afirmou ao G1.

A titular da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA), Renata Vieira da Silva Freitas, informou ao G1 nesta segunda-feira (22) que a filha do suspeito também está vindo para Goiânia para prestar depoimento sobre o caso. A criança era colega de escola de Gabrielly e a porta da casa da menor foi o último lugar onde a menina foi vista por testemunhas.

De acordo com a polícia, o suspeito confessou o crime e afirmou em depoimento que o corpo da criança foi abandonado dentro de um saco plástico em uma mata à beira de uma estrada próxima ao município de Carmo do Rio Verde.

As buscas pelo corpo da menina continuam sendo feitas pela Polícia Civil, Polícia Militar, Corpo de Bombeiros e até por moradores. Cães farejadores estão sendo usados nesse trabalho. Uma tenda foi montada na casa da família para que parentes, amigos e vizinhos pudessem aguardar notícias.

A avó da menina, Maria Rosa Dias Lourenço, de 60 anos, conversou com o G1 por telefone na manhã de sábado (20) e disse estar desesperada. "Não temos nenhuma notícia, nada. Só tenho ela e mais uma menina de neta e a Gabrielly foi criada comigo. Vinha todos os dias tomar café na minha casa", lembrou.



FONTE

.
.

http://g1.globo.com/goias/noticia/2012/10/suspeito-de-matar-crianca-sumida-e-transferido-de-uruana-para-goiania.html
===

FAMILIA RECONHECE ROUPAS E POLICIA CONFIRMA QUE O CORPO É DA MENINA

Menina foi encontrada morta às margens de um rio em Bom Sucesso (MG).
Sumiço desde terça-feira (16) mobilizou cidade de 17 mil habitantes.

A Polícia Civil confirmou que o corpo encontrado na manhã desta segunda-feira (22) em Bom Sucesso (MG) é da menina Camila Graziele Santos Vitoriano, de 5 anos, que desapareceu na terça-feira (16). A família da menina já reconheceu as roupas que ela usava no dia em que desapareceu. O corpo foi encontrado com perfurações, mas a polícia ainda não diz qual objeto teria provocado os ferimentos. Também há indícios de que a menina tenha sido abusada sexualmente.

Ainda conforme a polícia, um suspeito foi detido no final da manhã em Ijaci (MG). Ele seria o namorado da mulher que já havia sido presa antes suspeita de envolvimento no crime.

O corpo da menina foi encontrado por policiais às margens de um rio, dentro de um saco de batatas. O local fica próximo à casa onde a menina morava. Até então, a polícia suspeitava que a menina havia sido sequestrada. As hipóteses mais prováveis eram de tráfico de crianças, transplante de órgãos, trabalho escravo ou adoção ilegal.


Corpo de criança foi encontrado dentro de um saco em Bom Sucesso. (Foto: Reprodução EPTV / Devanir Gino)

Moradores da pequena cidade de pouco mais de 17 mil habitantes se mobilizaram espalhando cartazes com a foto da menina pelo comércio da cidade e nas redes sociais. Apesar da suspeita de que a menina tivesse sido sequestrada, a polícia concentrava as buscas pela zona rural do município.


Suspeita

Uma mulher de 25 anos chegou a ser presa na quinta-feira (18) suspeita de envolvimento no desaparecimento da criança. Segundo a polícia, testemunhas disseram que a mulher foi vista com a menina em uma estrada da zona rural. No sábado (20), a polícia revelou que no momento da prisão, a suspeita chegou a engolir um maço de dinheiro. Desde então, a polícia passou a tratar o caso como sequestro. A polícia investigava hipóteses como tráfico de crianças, adoção ilegal, trabalho escravo e exploração sexual.

A suspeita é usuária de drogas e já tem passagens pela polícia por tráfico e furtos. Ela está grávida e segundo testemunhas, havia doado outros cinco filhos que teve anteriormente. Durante a tarde de sábado (20), a polícia fez buscas na casa onde ela morava, mas nada foi encontrado.


Moradores colam cartazes da menina no comércio da cidade. (Foto: Reprodução EPTV)


Vista em Nazareno

Havia a suspeita de que a menina teria sido vista na cidade de Nazareno (MG), segundo a delegada da Divisão de Pessoas Desaparecidas de Belo Horizonte, Cristina Coelli. O município fica entre Bom Sucesso e São João Del Rei (MG). “A última notícia que recebemos é de que a menina teria sido avistada em Nazareno e posteriormente a caminho de São João Del Rei”, informou a delegada nesta sexta-feira (19).


Menina desapareceu enquanto brincava na porta
e casa. (Foto: Divulgação)

De acordo com a delegada Cristina, chegou a ser emitido um alerta para todos os aeroportos e portos internacionais do país para que a criança fosse identificada em qualquer tentativa de embarque. A polícia chegou a levantar a hipótese de que o crime estaria relacionado com o tráfico internacional de crianças.


O caso

Camila Graziele Santos Vitoriano foi vista pela última vez em frente a sua casa, no bairro Palmeiras, por volta de 12h30 de terça-feira (16). Assim que Camila chegou da escola, ela foi até a casa de um vizinho, que fica a poucos metros de onde ela mora com os pais, porque queria brincar com um colega. Algum tempo depois, a mãe foi chamar a filha para fazer o dever de escola, mas não encontrou a menina.

Vizinhos disseram que desde sexta-feira (12) haviam percebido a presença de um homem com comportamento suspeito no bairro.


FONTE
http://g1.globo.com/mg/sul-de-minas/noticia/2012/10/familia-reconhece-roupas-e-policia-confirma-que-corpo-e-de-menina.html

==========

domingo, 21 de outubro de 2012

TRAFICO DE PESSOAS É CHOCANTE

DESAPARECIDOS

CRIANÇAS DESAPARECIDAS
- AJUDE NESTA CAUSA - DIVULGUE - DENUNCIE OS ABUSOS-


Porque pessoas somem, desaparecem sem deixar vestígios?
Por que não há interesse do governo em solucionar este grave problema?

Crianças somem todos os dias, são milhares ao ano. Poucas são recuperadas.

Elas são vítimas inocentes dos atos mais vís que um ser humano pode praticar. Elas sucumbem nas profundezas escuras habitadas por monstros pedófilos, quadrilhas ligadas ao tráfico humano para trabalho escravo e prostituição infantil e a máfia do tráfico de órgãos que assassina milhares de crianças todos os anos.

Para os pais fica a dor, a revolta e a terrível sensação de impotência diante deste mundo de crime organizado, comandado pela elite abastada sob o aval de políticos perversos que fingem nada ver, deixando a porta aberta para a continuidade dessa prática hedionda de crimes contra nossas crianças.
Este pequeno espaço é uma extrenção do site Desaparecidos do Brasil e alguns casos de desaparecimentos (crianças e adultos) serão divulgados aqui também.

CRIANÇAS DESAPARECIDAS NO BRASIL





Tráfico de Órgãos - Denúncia - Veja também o site de Paulo Pavesi.





http://www.youtube.com/watch?v=kK1DR7G8BsE&feature=player_
Tráfico de pessoas - Não feche os olhos para este mal


FONTE

http://rosaouespinho.blogspot.com.br/p/desaparecidos.html

*
TRAFICO INTERNACIONAL DE CRIANÇAS


Hoje estas crianças vítimas, procuram suas famílias biológicas no Brsil: : Em ISRAEL eles procuram seus pais biológicos no Brasil

1980 - Auge do tráfico Internacional de Crianças no Brasil

Nos anos 80, é desvendada uma das maiores quadrilhas de tráfico internacional de crianças, que atuava principalmente nos estados do Sul do Brasil e vendiam suas vítimas num esquema ilegal de adoção para casais da Europa, América e principalmente Israel, a preços milionários.

Arlete Hilu

Em 1986 Arlete Hilu é denunciada por tráfico internacional de crianças e acusada de vender bebes para casais estrangeiros a preços que variavam de 5mil a 50 mil dólares por criança. É presa em 1988 e concedida a liberdade condicional em 1990 quando criou outra operação de tráfico de bebes nos quatro estados do Sul, sendo presa novamente em janeiro de 1992 quando então cumpriu nova pena e foi posta em liberdade.
Geovani Barros de Azevedo, porta-voz da polícia federal no Rio de Janeiro (86) em entrevista disse que as adoções ilegais por estrangeiros tornaram-se um grande negócio onde Israel, Inglaterra e Canadá eram os países que mais buscavam por adoções, principalmente crianças do sul devido sua descendência européia.

Falsas promessas

Mulheres disfarçadas de assistentes sociais procuravam por mulheres grávidas e as convenciam a entregar seus bebes assim que nascessem.
“As mães eram levados a acreditar que poderiam visitar seus filhos sempre que elas quisessem e que se elas mudassem de idéia mais tarde, ainda poderiam ter seus bebês de volta”, disse Santana, ex-chefe da polícia em Itajaí, SC. Só em Itajaí a quadrilha vendeu cerca de 500 crianças, a maioria para Israel.

Roseli Jorge, uma das mães enganadas, conta: “Eles roubaram a minha filha…Eu quero ela de volta, mas eu nunca vou vê-la novamente.” “Quando eu estava prestes a dar à luz, uma mulher me levou para o hospital e me deu 600 cruzados ($ 43) e uma folha de papel em branco para assinar o que ela disse ser um recibo pelo pagamento. A mulher disse que era uma assistente social e que o dinheiro seria para comprar roupas para o bebê. ”
Roseli deu a luz uma menina de olhos azuis e a chamou de Daniela. Quando ela ia levar sua filhinha para a mãe, a assistente social pegou o bebe dizendo que o que ela havia assinado era um papel de adoção.

Segundo a polícia, Daniela foi adotada por um casal israelense em 1985.


Carlos Cesário Pereira

Em junho daquele ano, a Polícia Federal invadiu a casa do advogado Carlos Cesário Pereira também envolvido no tráfico, uma maternidade e vários pontos secretos em Itajaí, no Sul de Santa Catarina, onde foram recuperadas 20 crianças. Carlos Pereira tinha um verdadeiro exército de enfermeiros, médicos, parteiras, funcionários do judiciário e da imigração, motoristas e compradores de bebes em sua folha de pagamento, que atuavam nos três estados do Sul.
Os casais estrangeiros eram levados para uma elegante casa de campo nos arredores de Itajaí, onde poderiam passar o dia e conhecer os recém nascidos trazidos de vários locais.

Pereira disse: “Muitas dessas crianças morreriam antes de um ano se permanecessem em seu habitat natural de extrema pobreza”

Já o ex- policial Santana disse: “A venda de bebes precisa ter um fim porque não se pode por um preço em cima de uma vida humana”.


Pais adotivos enganados

Os estrangeiros também eram enganados ao serem procurados por advogados, nem sempre idôneos, que contornavam as dificuldades burocráticas da lei brasileira, facilitando e agilizando a adoção. Ansiosos por adotar de forma rápida, não imaginavam que estavam infringindo a lei. Os traficantes mentiam para os pais adotivos dizendo que a regulamentação custava em torno de $ 5.000 a $ 10.000 dólares por criança. Na realidade a documentação toda não passava de 500 dólares.

“Não é o suficiente apenas punir os traficantes”, disse o Dr. Jose Raimundo da Silva Lippi, presidente da Associação Brasileira de Prevenção do Abuso Infantil. “Precisamos agilizar o processo de adoção para impedir esse tipo de coisa.”


FONTE
http://rosaouespinho.blogspot.com.br/p/trafico-internacional-de-criancas.html

*

Ministério Público da Bahia investiga tráfico de crianças


Denúncias revelaram irregularidades na adoção de crianças saídas de regiões humildes



Brasília – A suspeita de que traficantes de crianças vêm atuando na Bahia há algum tempo motivou o Ministério Público Estadual (MP) a iniciar investigação para apurar a ação dessas quadrilhas. O inquérito criminal, segundo o promotor de Justiça Luciano Taques Ghignone, foi instaurado no último dia 26 de setembro, antes da denúncia exibida no programa Fantástico, da Rede Globo, no domingo passado (14).

A reportagem televisiva denunciou o caso de um juiz do município de Monte Santo, no sertão baiano, que autorizou que cinco crianças de uma mesma família de lavradores fossem retiradas dos pais e entregues a quatro casais de São Paulo. As adoções motivaram pronunciamento da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Tráfico de Pessoas e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

“A apuração do suposto tráfico de crianças envolve outras situações que podem ou não ter conexão com os processos relativos às cinco crianças de Monte Santo - nos quais o Ministério Público também identificou algumas irregularidades formais - mas que não podem ser confundidos”, informou o promotor à Agência Brasil.


FONTEhttp://exame.abril.com.br/brasil/noticias/ministerio-publico-da-bahia-investiga-trafico-de-criancas

CAMILE GRAZIELE => DISPARADO ALERTA NACIONAL




Fotos de Camila Graziele Santos foram mandadas pela internet para as principais rodoviárias, aeroportos, portos e estações ferroviárias do Brasil inclusive para outros países.

A assessoria de imprensa da Polícia Civil, a Divisão de Referência da Pessoa Desaparecida de Minas Gerais emitiu um alerta para todos os aeroportos e portos internacionais do país para que a criança seja identificada em qualquer tentativa de embarque.






Uma equipe da Delegacia Especializada em Desaparecimento de Pessoas, de Belo Horizonte (MG), chegou na manhã deste sábado (20) em Bom Sucesso. Eles foram até a cidade para ajudar nas investigações. Ainda conforme o delegado que investiga o caso, a polícia já avançou nas investigações, mas por enquanto nada pode ser divulgado.

NAZARENO = MINAS GERAIS
Nazareno (MG)

Ainda de acordo com a delegada da Divisão de Pessoas Desaparecidas de Belo Horizonte, Cristina Coelli, sido avistada, nesta sexta (19), em Nazareno e posteriormente a caminho de São João Del Rei. O município fica entre Bom Sucesso e São João Del Rei (MG).

Uma mulher de 25 anos, usuária de drogas e com passagem pela polícia é a única suspeita no momento e foi detida. Ela está grávida e já teria dado ou vendido outros cinco filhos. Segundo informações, ela chegou a engolir um maço de dinheiro ao ser presa.

Familiares e amigos já espalharam cartazes de Camila por todos os locais do bairro e também na internet é grande a campanha pela localização da criança.
O DESAPARECIMENTO
Camila Graziele Santos Vitoriano foi vista pela última vez em frente a sua casa, no bairro Palmeiras, por volta de 12h30 de terça-feira (16). Assim que Camila chegou da escola, ela foi até a casa de um vizinho, que fica a poucos metros de onde ela mora com os pais, porque queria brincar com um colega. Algum tempo depois, a mãe foi chamar a filha para fazer o dever de escola, mas não encontrou a menina.

Além de Camila, outras seis crianças desapareceram recentemente em cidades do interior de Minas Gerais.
-------------------------------------------------

http://www.desaparecidosdobrasil.org/criancas-desaparecidas

Menina de 10 anos sai para doar cachorro e desaparece em Goiás

Desaparecimento aconteceu na manhã de quinta-feira (18), em Uruana.
Ela foi vista pela última vez na casa de amiga; pai da colega está detido.


Gabrielly Caroline desapareceu na manhã de
quinta-feira (Foto: Arquivo pessoal)



Uma menina de 10 anos desapareceu na manhã de quinta-feira (18), em Uruana, na região central de Goiás. De acordo com informações da Polícia Civil da cidade, Gabrielly Caroline Dias Rocha saiu para doar um cachorro e não retornou para casa.

Ela foi vista pela última vez na porta da casa de uma amiga. Ao G1, por telefone, o delegado da cidade, Valdir dos Santos Dourado, falou que o pai desta colega está detido para averiguação.

"Uma vizinha dele ouviu a menina gritar o nome da colega dela, filha do suspeito. Mas nesse horário a outra criança estava na escola", explicou o delegado. Uma das sandálias de Gabrielly foi encontrada no pátio da casa.

Segundo Dourado, a menina saiu de casa por volta das 8h. Ela tinha um cachorro, mas a mãe não aceitava o animal. Gabrielly teria ido doar o cão para uma pessoa do mesmo bairro, mas não retornou.

A mãe procurou a delegacia e as buscas começaram no mesmo dia. Mas a investigação contará com reforço policial. "Uma equipe de Goiânia está vindo para nos ajudar na investigação", adiantou o delegado.

Gabrielly vestia short jeans e camiseta listada de verde. Quem tiver informações que possam ajudar na localização da garota pode ligar para o telefone (62) 3344-2644.



FONTE
http://g1.globo.com/goias/noticia/2012/10/menina-de-10-anos-sai-para-doar-cachorro-e-desaparece-em-goias.html

*
Polícia continua buscas por menina que sumiu ao sair para doar cachorro


Garota de 10 anos desapareceu na manhã da última quinta, em Uruana.
Pai de colega da criança está detido para averiguação e nega envolvimento.




As polícias Civil e Militar, o Corpo de Bombeiros e a população de Uruana, na região central de Goiás, se mobilizaram para encontrar Gabrielly Caroline Dias Rocha, de 10 anos, que saiu de casa na manhã de quinta-feira (18) para doar um cachorro e não retornou.

Muito emocionada, a avó da menina, Maria Rosa Dias Lourenço, de 60 anos, conversou com o G1 por telefone na manhã deste sábado (20) e disse estar desesperada. "Não temos nenhuma notícia, nada. Só tenho ela e mais uma menina de neta e a Gabrielly foi criada comigo. Vinha todos os dias tomar café na minha casa", lembrou.

A garota foi vista pela última vez na porta da casa de uma amiga. Na sexta-feira (20), o delegado da cidade, Valdir dos Santos Dourado, informou que o pai desta colega está detido para averiguação. "Uma vizinha dele ouviu a menina gritar o nome da colega dela, filha do suspeito. Mas nesse horário a outra criança estava na escola", explicou o delegado. Uma das sandálias de Gabrielly foi encontrada no pátio da casa.

Até o final da manhã deste sábado o suspeito continuava detido na delegacia de Uruana, mas, segundo os agentes, continuava negando envolvimento no sumiço da criança.

Doação

Segundo Dourado, a menina saiu de casa por volta das 8h. Ela tinha um cachorro, mas a mãe não aceitava o animal. Gabrielly teria ido doar o cão para uma pessoa do mesmo bairro, mas não retornou.

A mãe procurou a delegacia e as buscas começaram no mesmo dia. Mas a investigação contará com reforço policial. "Uma equipe de Goiânia está vindo para nos ajudar na investigação", adiantou o delegado.

Gabrielly vestia short jeans e camiseta listada de verde. Quem tiver informações que possam ajudar na localização da garota pode ligar para o telefone (62) 3344-2644.


FONTEhttp://g1.globo.com/goias/noticia/2012/10/policia-continua-buscas-por-menina-que-sumiu-ao-sair-para-doar-cachorro.html

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Saiba identificar e combater o bullying nas escolas

Ele não deve se visto como brincadeira e pode trazer consequências mais sérias


"Na sala de aula, jogavam bolinha de papel na minha cabeça, não me deixavam participar de nenhum grupo, me imitavam, pois eu gaguejava quando criança. Era sempre um grupo de meninos que fazia isso. A cena que me magoa até hoje lembrar foi quando dois meninos acharam um pedaço de fio de cobre atrás da escola e me bateram com ele", o depoimento é de Lídia Eliane Canuto de Souza, 30 anos, residente de Ribeirão Pires, interior de São Paulo.

O que aconteceu no passado com ela e que permanece no cotidiano de diversas crianças e adolescentes em escolas do mundo todo é a prática denominada "Bullying". O termo de origem inglesa é, por definição, qualquer tipo de comportamento agressivo praticado intencionalmente por uma pessoa ou grupo de forma repetida contra alguém, sem motivação específica ou justificável, causando danos psicológicos, dor emocional e física (se a agressão envolver contato físico).



Segundo a ONG "Learn Without Fear" (Aprender Sem Medo), 350 milhões de crianças e jovens são vítimas de bullying anualmente em todo o mundo. O pediatra e um dos autores do livro "Diga não para o Bullying", Aramis Lopes Neto, aponta que atitudes violentas dentro da escola geram muita preocupação, pois interferem na formação do indivíduo e deixam sequelas, principalmente para as vítimas. No caso de Lídia, ela diz que o bullying contribuiu para diminuir sua autoestima e fazer com que tenha dificuldade em confiar nas pessoas e de se relacionar.

O bullying não pode ser encarado como uma brincadeira ou provocação natural entre crianças e adolescentes e merece atenção para ser prevenido e combatido. Conheça agora esse fenômeno social, suas causas, consequências e quais são as medidas necessárias para diminuir a incidência desse tipo de comportamento.


Tipos de bullying


Há várias formas de manifestar o bullying. A prática pode ocorrer da forma direta, quando a agressão é feita contra o seu alvo por meio de apelidos, exclusão do grupo, agressão moral ou física. O bullying pode ser também indireto, envolvendo furtos, fofocas e até mesmo, o cyberbullying, aquele que usa a internet, celular e outros meios do mundo digital para divulgar as ofensas - sites caluniando as vítimas, vídeos disseminados com situações embaraçosas e fofocas circulam pela rede numa velocidade impressionante. Segundo uma pesquisa recente feita pela Universidade de Valência, na Espanha, entre 25 % e 29 % dos adolescentes sofrem bullying via telefone celular ou internet.

Além disso, as provocações podem começar presencialmente e evoluir para o ambiente virtual, como conta a professora do Ensino Fundamental da Rede Municipal do Rio de Janeiro, Cristiane Mesquita. "Uma aluna nossa recebia ameaças e xingamentos, que eram divulgados na porta do banheiro da escola. Depois, isso se repetiu numa rede social na internet. A mãe, completamente assustada, foi à escola e nós a orientamos a procurar a justiça. A direção convocou o responsável pela agressora, que pediu desculpas à garota. Só então a mãe desistiu de denunciar", relembra

Em geral, o modo de manifestar o bullying varia entre os meninos e as meninas. Entre eles, ocorrem mais agressões físicas e exclusões do grupo, na hora de jogar bola ou no recreio, por exemplo. Enquanto entre elas, a prática envolve fofocas, difamações e dominação, sem no entanto, excluí-las do grupo.




Consequências duradouras


Os estragos das agressões ilimitadas são visíveis tanto na vida pessoal dos agredidos como na escolar. De acordo com um estudo da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, publicado pela American Psychological Association, a vítima típica de bullying sofre de depressão e ansiedade com maior frequência.

Dentre as vítimas é comum a ocorrência de baixa autoestima, pensamentos suicidas e dificuldade de se relacionar amorosamente e profissionalmente. Já os agressores, levam a agressividade para a idade adulta em casa e/ou no trabalho, não conseguem estabelecer relações longas e nem regularidade no trabalho.

Carlos Eduardo de Camargos, 30 anos, morador de Ceilândia no Distrito Federal, amarga até hoje as consequências de ter sido uma vítima de bullying. Por causa disso, ele adquiriu fobia social, depressão, temperamento explosivo e distimia. "Ainda tenho dificuldades em confiar nas pessoas, falta de coragem de encará-las e medo de enfrentar os erros", diz Carlos.


Reconheça um agressor


Os agressores costumam ser figuras populares na escola, são agressivos com os colegas, professores, pais e, normalmente, trazem consigo um grupo de seguidores. "Eles precisam dessas pessoas que os apóiam e se submetem a eles e, dessa forma, a responsabilidade pela agressão é dividida", ressalta Aramis Neto.

Ao contrário dos agressores, as vítimas, geralmente, têm (ou desenvolvem) baixa autoestima, se isolam do grupo e têm poucos amigos. As vítimas também apresentam algumas características físicas que as tornam alvos, como por exemplo: magreza, excesso de peso, timidez, ou outra característica acentuada. "Além disso, as vítimas apresentam sinais de depressão, ansiedade e baixo rendimento escolar", explica o pediatra.

O especialista acrescenta que, em casa, eles se isolam no quarto, demonstram irritabilidade com os pais, pois não se sentem apoiados, choram com frequência e, geralmente, inventam desculpas para faltar aulas e não ficar no ambiente em que estão sofrendo.


Vítima ou agressora?

Algumas características sinalizam se alguém pode ser um provável alvo de bullying. É importante observar as crianças muito infantilizadas ou muito protegidas, que não conseguem se impor ou serem ouvidas dentro do grupo, ou aquelas que ouvem frequentemente frases desestimulantes no ambiente familiar como "você só me traz problemas", adverte o Aramis.

Já os agressores vieram de uma família que usa a violência como forma de autoridade, com pais ou mães que não expressam amor ou afeto pelos filhos ou que cresceram em lares em que todos os comportamentos eram aceitos. "Eles não sabem ouvir, principalmente, a palavra não", avisa o especialista.




Como tratar as sequelas


Tanto as vítimas como os agressores de bullying precisam de ajuda psicológica. De acordo com a psicóloga Rita Romaro, o primeiro passo é conseguir identificar o que está acontecendo e qual foi a gravidade da ofensa ou agressão.

Para as pessoas que sofrem o bullying, a psicóloga recomenda até a mudança de escola, quando o caso é muito grave, além da terapia. "Mesmo que o bullying pare, a criança continua sendo discriminada na escola. Para ela não adquirir aversão ao ambiente escolar, o melhor mesmo é a mudança", ressalta Rita.

Para crianças menores, a terapia pode ser na forma de "ludoterapia", que envolve brinquedos e conversa. Esse trabalho é eficaz, melhora a autoestima da vítima e a criança aprende a lidar melhor com suas emoções.



Já no caso dos agressores, o mais importante é identificar o que está por trás da agressão: se ele sente prazer na dor do outro ou se ele apenas repete o que ele vivencia ou vê em sua própria casa. É possível que os praticantes de bullying tenham um possível transtorno de conduta e que, mesmo com a terapia, não tenham resultados tão bons quanto os das vítimas. "A importância desse método, nesse caso, é que a família pode ser ajudada e pode aprender como lidar com essa criança", explica a especialista. Ela recomenda terapia familiar em alguns casos.

A criança que apresenta algum transtorno de conduta costuma fazer o outro sofrer e sente prazer nisso, mentir e inventar histórias, não respeita autoridades, gosta de colocar fogo em objetos, se meter em brigas e machucar animais, entre outras ações.

A psicóloga Rita Romaro explica que o mais importante é saber qual é a extensão do bullying que a criança pratica e identificar se ela realmente tem o transtorno para poder alertar a família sobre como lidar e não se deixar manipular pela criança.


Qual a função da escola e da família no combate ao bullying?


A escola deve adequar o ambiente escolar para reduzir o bullying e valorizar a diversidade. Medidas para esclarecer o que é o bullying também devem ser realizadas. E é fundamental que a escola aja como um facilitador entre pais e alunos para encaminhar, orienta e resolver a questão. Um dos fatores que agrava ainda mais o problema é a omissão de professores e dos profissionais do ambiente estudantil.

A professora do Rio de Janeiro, Cristiane Mesquita, conta o que faz para diminuir as agressões em sala de aula: "É essencial que o professor tenha consciência de que o bullying maltrata e baixa a autoestima da criança. Sempre que presencio em minha turma, eu converso seriamente com todos e leio uma lei que criminaliza quem pratica o bullying".



A lei N.º 5.089, do estado do Rio de Janeiro, obriga os professores e funcionários de escolas públicas e particulares do Rio de Janeiro a denunciarem casos de violência contra crianças e adolescentes, inclusive o bullying, a delegacias e conselhos tutelares. As instituições que não cumprirem a norma podem pagar multas de 3 a 20 salários mínimos.


Para o pediatra Aramis, algumas das principais medidas a serem tomadas nas escolas incluem:


1- Admitir que o bullying existe em todas as escolas.
2- Praticar ações que podem reduzir a incidência das agressões com mobilização de toda a comunidade escolar: professores, coordenadores, pais e alunos.
3- Promover o trabalho de compromisso para a redução do bullying saindo da premissa: "Essa escola não vai mais tolerar o bullying".
4- Cada turma ou série construindo sua forma de conviver contra o bullying, admitindo o que é aceitável e o que não é.
5- Trabalhar a amizade, solidariedade, não-violência e amor com atividades em grupo.


O papel da família


Já a família deve valorizar o diálogo. Não se avalia pelo boletim se a criança sofre bullying. O lema "passou de ano está bom" só serve para pais omissos.

Os pais devem estar atentos se o seu filho tem amigos, se conhece pessoas que sofrem alguma agressão ou se ele mesmo é intimidado na escola. A função da família é permitir que o filho exponha seu sofrimento


Por que a criança tem medo de falar com os pais?


Principalmente porque tem medo de se expor e acha que os pais não vão valorizar os seus sentimentos. "No caso dos agressores, a família deve saber corrigi-los para que eles não continuem com as agressões na escola, mas não pelo medo de serem castigados, e sim, pelo tradicional método do diálogo aberto e da educação familiar, que é indispensável a qualquer indivíduo que vive coletivamente e de forma respeitosa", ressalta a psicóloga Rita Romaro.

O bullying deve ser levado a sério por toda a comunidade escolar e familiar. Aos pais, cabe decidir qual a melhor escola para os seus filhos - muitas vezes, a escola que oferece a melhor educação formal não possui o ambiente mais saudável.


fonte>>http://www.minhavida.com.br/familia/materias/12927-saiba-identificar-e-combater-o-bullying-nas-escolas?utm_source=social&utm_medium=googleplus&utm_campaign=feed
*



segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Estudo: quase metade de crianças autistas foge de casa nos EUA


Quase 50% das crianças americanas autistas fogem de casa e mais da metade esteve desaparecida tempo suficiente para preocupar os pais, revelou um primeiro estudo sobre este fenômeno publicado esta segunda-feira nos Estados Unidos.
Este comportamento, responsável por muitos acidentes fatais, chega a proporções alarmantes, alertaram os autores deste estudo, realizado com uma amostra de mais de 1,2 mil famílias e publicado na revista americanaPediatrics.
Os autistas que correm o maior risco são aqueles com deterioração intelectual importante, alguns dos quais não respondem quando chamados pelo nome, relatou o autor principal do estudo, Paul Law, do Instituto Kennedy Krieger e diretor da Rede Interativa do Autismo (IAN, na sigla em inglês), a maior rede dos Estados Unidos especializada em pesquisa online sobre o transtorno.
Esta consulta indicou que 49% dos pais de crianças autistas com quatro anos ou mais sofreram pelo menos uma fuga. Para 25% destes pais, seu filho é reportado como desaparecido tempo suficiente para gerar preocupação. Em média, as fugas duram 40 minutos.
Aproximadamente 65% dos pais disseram que os filhos sofreram acidente de trânsito e 24%, afogamento. Os pesquisadores também notaram que 46% dos autistas de quatro a sete anos fugiram - um percentual quatro vezes superior ao de seus irmãos e irmãs que não sofrem do transtorno.
Aos 8 e aos 11 anos, 27% das crianças autistas fugiram alguma vez em comparação com 1% de outras crianças da família. Em um ano, 29% dos pais reportaram que seu filho autista praticou múltiplas tentativas diárias de fugir, enquanto 35% informaram várias tentativas pelo menos uma vez por semana.
A fuga consistia em ir à casa de outra pessoa (74%), ir a uma loja (40%) e à escola (29%). Os pesquisadores afirmaram que é necessário fazer estudos adicionais para determinar se há tipos de fuga que demandem estratégias específicas de prevenção.
O autismo, a síndrome de Asperger e outros transtornos similares são diagnosticados em uma de cada 88 crianças nos Estados Unidos, segundo os Centros para Controle e Prevenção de Doenças (CDCs).

Parentes de criança desaparecida recolhem material para exame de DNA


Ossada encontrada em canavial na semana passada pode ser de sibele Ferreira, de 8 anos


Exame tentará confirma se ossada é mesmo de Sibele

Na próxima segunda-feira (8), familiares da criança Sibele Ferreira dos Santos, de 8 anos de idade, deverão comparecer ao Instituto Médico Legal de Maceió para fornecer amostras de DNA. O material recolhido será utilizado para confrontar com a ossada encontrada no último dia 2 de outubro, em um canavial no município de Pilar.

A decisão foi tomada após exame de necropsia realizado pelo perito médico legal Jairo Macário, na unidade de Arapiraca, onde são realizados os exames em corpos de estado avançado de decomposição. Segundo o médico, foram poucos os subsídios encontrados necessários para a identificação da ossada humana.

Ainda segundo o diretor do IML de Maceió, Luiz Mansur, a identificação através do exame de DNA se fez necessário porque o corpo estava em estado final de composição, e o reconhecimento havia sido feito apenas por uma peça de roupa encontrada próximo ao corpo. Por conta disso, não se pode emitir um laudo que servirá para atestar o óbito da vítima.

No exame realizado hoje, o médico legista e sua equipe recolheram da ossada material genético suficiente para o exame de DNA. A família de Sibele Ferreira também já foi avisada sobre a importância do exame para a legalidade jurídica de confirmação da identidade do corpo e se comprometeram em comparecer ao IML para fornecer o material genético necessário para o exame.

Com o fornecimento do material genético por parte da família da suposta vitima, a direção do IML e da Perícia Oficial se compromete em trabalhar para que o exame seja realizado o mais rápido possível. Só com o resultado positivo através do exame de DNA, a identificação será confirmada e o corpo será automaticamente liberado para a família.


FONTEhttp://www.tribunahoje.com/noticia/41799/interior/2012/10/05/parentes-de-crianca-desaparecida-recolhem-material-para-exame-de-dna.html

terça-feira, 2 de outubro de 2012

Videoinstalação Eu não estou mais aqui trata da ausência das crianças desaparecidas

Bellini Andrade/divulgação

Não existe dor pior que a do desaparecimento de entes queridos. Ainda em circunstâncias sem explicação, caso, por exemplo, do sumiço de crianças. É sobre esse universo de menores desaparecidos em Belo Horizonte e dos efeitos sociais e psicológicos causados nas famílias que a videoinstalação Eu não estou aqui se debruça. Criada pela produtora Emvideo, a obra será apresentada – nesta terça-feira para convidados e a partir desta quarta-feiraã para o público – no Memorial Minas Gerais Vale.

A inspiração surgiu de exposição realizada em Nova York pela artista plástica Flávia Berindoagui. Durante um período, ainda vivendo em BH, ela se impressionou com o tema. Da pesquisa surgiram as obras de arte. A equipe da Emvideo – liderada por Bellini Andrade e Marcus Nascimento –, interessou-se pelo assunto e resolveu, em parceria com a artista, transformar a pesquisa em videoinstalação. “Tratamos da ausência. Representamos os efeitos provocados quando crianças não mais passam a viver ao lado daqueles que as amam”, explica Bellini. Segundo ele, para não cair no lugar-comum da dúvida sobre o paradeiro delas, a opção foi usar a ficção. “Não mostramos casos reais. Mas sim personagens inventados a partir das histórias”, justifica.

A instalação ocupará uma sala inteira do memorial. Pintada de preto, a área terá, numa das paredes, 10 cartazes com fotos modificadas de imagens de possíveis crianças desaparecidas. “Usamos várias imagens, como algumas fotos de crianças perdidas, para inventar a fisionomia das fotos. Diante de cada uma haverá uma caixa de som narrando uma história fictícia”, ele explica. O restante do espaço será ocupado com objetos comuns ao universo infantil, que elas poderiam ter usado, como alguns brinquedos. Sobre eles serão projetadas cenas. A instalação se encerra com projeção de vídeo numa tela feita de sal grosso. “A intenção ao usar o sal é, simbolicamente, representar a conservação da memória: a única coisa que restou”, conclui Bellini.

EU NÃO ESTOU AQUI

Abertura nesta terça-feira para convidados, às 19h, no Memorial Minas Gerais Vale, Praça da Liberdade, s/nº, esquina com Rua Gonçalves Dias. De quarta-feira até 30 de novembro, para o público. De terça a sábado, das 10h às 18h; quintas, das 10h às 22h; domingos, das 10h às 14h. Informações: (31) 3343-7317

Site propõe anúncio de desaparecidos no lugar de erro 404

No lugar da mensagem de erro, sites participantes mostram anúncio de criança desaparecida. Foto: Reprodução

No lugar da mensagem de erro, sites participantes mostram anúncio de criança desaparecida


A organização europeia Missing Children Europe propõe que o recorrente erro 404 (referente a uma página não encontrada) seja substituído por um anúncio de criança desaparecida. Quando o usuário chega a uma página assim, surge um anúncio indicando detalhes e uma foto sobre um menor de idade que está sendo procurado pela família. Assim, uma página antes vazia pode contribuir para fazer o bem.
Cerca de 500 sites já aderiram à iniciativa e reconfiguraram suas páginas de erro. O anúncio é atualizado sempre que uma página não for encontrada. "Esse projeto permitirá que concentremos nossa atenção em crianças sobre as quais não temos notícias há anos", disse a porta-voz Maryse Roland.

Criança desaparecida no Reino Unido: April e a lembrança de Maddie


©The Guardian
April Jones, de 5 anos, desapareceu na segunda-feira ao fim da tarde, quando brincava na rua perto de casa, em Machynlleth. O caso está a ganhar enorme mediatismo em todo o Reino Unido, chegando a ser comparado ao desaparecimento de Madeleine McCann há cinco anos, no Algarve.Centenas de pessoas voluntariaram-se, ontem à noite, para acompanhar a polícia em grupos organizados nas buscas pela criança desaparecida nos arredores de Machynlleth, no centro do País de Gales.
Informações recentes, conseguidas através do testemunho de outras crianças que brincavam com April, indicam que a menina terá entrado «voluntariamente» numa carrinha de cor clara. Surgem, portanto, suspeitas de que a criança foi raptada e que poderia conhecer a pessoa responsável pelo sequestro.
As informações foram dadas numa conferência de imprensa dirigida pelo detective Reg Bevan, que ainda descreveu a situação como «o pior pesadelo que um pai pode ter».
O rapto terá ocorrido às 19h00 de segunda-feira. A menina vestia um casaco roxo até ao joelho, calças pretas e um pólo branco que faz parte do uniforme da escola.

fonte>>
http://sol.sapo.pt/inicio/Internacional/Interior.aspx?content_id=60260